Quomodo Blog

Finalmente você tem seu pequeno ou pequena nos seus braços! É uma sensação indescritível, não é mesmo? Esse é um período de muitas descobertas, tanto para o bebê quanto para os pais. Por isso é mega normal se sentir perdida ou insegura sobre quais cuidados devem ser tomados nos primeiros dias de vida do pimpolho. Para ajudar neste momento tão gostoso e importante, fizemos uma lista com dicas de como cuidar do bebê nos primeiros dias.

 

Vale lembrar que o pequeno é considerado recém-nascido até o 28º dia de vida e durante esses períodos os responsáveis devem tomar uma série de cuidados para garantir sua saúde e bem-estar. Vamos lá?

 

Atenção com o umbigo!

 

Muitas mães têm receio ou nervoso de cuidar do umbigo dos recém-nascidos, mas isso pode acarretar em sérias infecções. Evite problemas usando um cotonete ou algodão umedecido em álcool a 70% na região umbilical a cada troca de fraldas e após o banho. E tem mais! Sabe aquelas recomendações, geralmente do pessoal mais velho, de colocar uma moeda ou cinteiro para evitar que o umbigo fique estufado? Não existe comprovação científica disso e o contato com esses objetos pode levar sujeira à região, aumentando as chances de infecções. Então é melhor evitar, tá?

 

 

Alimentação: Troca entre mãe e filho

 

Vocês sabiam que o leite pode demorar entre 48 e 96 horas para descer? Até isso acontecer, o que vem é o colostro, líquido que ajuda a nutrir e proteger o organismo da criança nos primeiros dias de vida. A primeira mamada deve acontecer o mais rápido possível para estimular a descida do leite, mas nem sempre a amamentação é fácil. Tenha paciência com o bebê e com você mesma. Hoje em dia existem alguns produtos que ajudam nesse processo. Dá só uma olhada neste post aqui para saber mais!

 

 

E esse choro, hein?

 

Quando nós estamos tristes, frustrados ou irritados, conseguimos expressar nossos sentimentos com palavras. O mesmo não acontece com os pequenos, que só conseguem chorar para “dizerem” o que estão sentindo. A resposta pode ser fome, fralda suja, febre, fome ou até mesmo cólica. Aos poucos os pais vão começando a identificar os sinais de cada pedido do bebê.

 

Quente ou frio

 

A gente gosta sempre de reforçar que os bebês perdem e ganham calor mais rápido que os adultos. Então quando for vestir o pequeno ou pequena, faça por camadas que sejam fáceis de tirar ou de por. Outra dica ótima é andar sempre com uma manta ou cobertor na bolsa de maternidade caso o tempo vire e você queira proteger o pimpolho. Ainda não sabe o que levar na hora de sair com a criança? Então clique aqui para conferir as dicas!

 

E aí, curtiram? Então se ligue no blog porque estamos sempre postando conteúdos novos e relevantes para os papais e mamães! Aproveite para dar uma passadinha na Loja Era Uma Vez, que tem produtos para recém-nascidos, bebês e criança. Estamos juntos com a sua família em todos os momentos e a um preço que cabe no seu bolso!

Um dos maiores eventos esportivos está para começar. Estamos falando da Copa do Mundo, que mexe com a cabeça – e coração – dos fascinados por futebol. Muitos acreditam que é praticamente impossível curtir os jogos com um recém-nascido ou bebê em casa, mas isso não é verdade. No texto de hoje, separamos algumas dicas de como curtir a Copa com os bebês em casa.

 

  • Reúna o pessoal em casa

 

Uma das formas de manter o controle nos eventos sociais é convidar as pessoas para curtirem o jogo na sua casa. Assim você evita grandes confusões e tumultos, que são comuns em espaços como restaurantes e bares lotados.

 

Outra vantagem é saber quem vai e se as pessoas estão doentes, evitando o contato delas com o bebê. Todo cuidado é pouco e as visitas devem entender isso. Fale com educação e deixe sempre à disposição uma garrafinha de álcool gel, para que todos possam higienizar a mão.

 

  • Cuidados com a saúde

 

Já que entramos neste tópico, é importante ressaltar que a carteirinha de vacinação deve estar em dia. Se seu filho é recém-nascido, provavelmente ainda não tomou todas as vacinas e, por isso a atenção deve ser redobrada. Converse com o pediatra sobre os cuidados que devem ser tomados, e aproveite para perguntar sobre o uso do repelente. Existem algumas versões específicas para bebês.

 

  • Crie um canto só para os bebês

 

Pode ser no cômodo onde está passando a transmissão do jogo ou em quarto isolado da poluição sonora da torcida. O que importa é ter um espacinho só para o bebê (ou bebês, se for o caso) curtirem, com brinquedos e uma cerquinha para eles não explorarem mais do que devem. Para os pais ficarem mais tranquilos, usem uma babá eletrônica para monitorarem os pequenos.

 

 

Alguns modelos possuem clip para fixação, permitindo que os pais levem o receptor para qualquer lugar, e alerta visual, que acende três luzes quando há algum som.

 

  • De olho na alimentação

 

Galera reunida, futebol na TV, e pra comer… Um belo churrasco, não é mesmo? Essa é a linha de raciocínio mais comum entre os adultos, mas lembrem-se que os pequenos também estão na torcida. O leite materno deve ser o alimento exclusivo até os seis meses de idade e complementar até, pelo menos, os dois anos de vida.

 

Separe também algumas frutas em pedaços cortados, para facilitar a mastigação dos pequenos. Prefira sucos naturais em vez dos industrializados e evite refrigerantes, pois o consumo em excesso de açúcar é o principal fator para desenvolvimento de diabetes tipo II e resistência à insulina.

 

  • Torcida infantil

 

Sabe aquelas tintas no rosto? Deixe bem longe dos pequenos. Até um ano de idade, eles costumam desenvolver alergias com facilidade. Uma boa forma de colocá-los no clima da comemoração é vestindo-os com bodies da Copa. Como é bem provável que esteja fria, as peças são em manga longa e feitas com suedine penteado, com abertura na parte inferior para facilitar na hora de vestir o bebê.

 

Viu? Ter um pimpolho em casa não significa que os pais e responsáveis não podem curtir a Copa do Mundo. Com as nossas dicas, você tem tudo para montar um espaço incrível e super divertido para todas as idades. Na Loja Era Uma Vez, você encontra peças a preços acessíveis e promoções incríveis. Entre no nosso site e confira!

Muitas coisas na nossa vida são movidas por nosso estado de espírito naquele momento. Quantas vezes você já brigou com alguém e depois pensou que o motivo não tinha nada a ver com a briga em si, mas sim em como você estava se sentindo naquela hora?

monica brava

Pensando nisso e também no nosso papel de pais, pensei em algumas perguntas básicas que podemos fazer a nós mesmos antes de tomar alguma atitude em relação aos nossos filhos (aqui cabe: colocar de castigo, brigar, dar uma palmadinha, ou até mesmo outras questões mais externas, como fazer uma festa em buffet ou matricular seu baby em uma aulinha de natação). Como geralmente seu filho ainda não tem muito esse poder de decidir, acho que essas perguntinhas podem te ajudar a pensar na motivação real daquela atitude. E ao menor sinal de respostas que te agradem, não tenha dúvida, vá em frente e faça o seu melhor!

  • Por quê estou fazendo isso? – Qual o objetivo real de tomar essa atitude, o que quero com isso? – Exemplo: Coloco o meu filho de castigo porque ele jogou o celular no chão. O que quero que ele aprenda quando o coloco de castigo?
  • Para quem estou fazendo isso? – Ou seja, essa atitude é para me acalmar/realizar/suprir minhas necessidades ou as do meu filho? Ou ainda: para satisfazer a vontade de outras pessoas, que não da minha família? Ex: Dar uma palmadinha quando seu filho dá escândalo no shopping.
  • Qual a capacidade de entendimento do meu filho sobre essa situação? – Muito importante. Já ouvi relatos de crianças que apanharam com menos de 8 meses e não consigo entender qual lição os pais gostariam de dar, posto que a criança nem sabia o que tinha feito de errado.
  • Eu quero ou ele quer? Quem quer? – Quem quer que seu filho goste de jogar basquete. Ele ou você? Que sinais ele demonstra a respeito?

O bacana de se colocar em reflexão é que ninguém precisa te julgar e você mesmo pode se sentir mais confortável em tomar decisões. É normal as vezes fazermos coisas e depois acharmos que exageramos ou nos sentirmos mal, mas se você estiver munida de seus próprios argumentos, entender o motivo será libertador, tenho certeza!

Faça o teste!

Um abraço.

Cecília.

3 de jun de 2016
  Essa semana li tantas notícias, opiniões e discussões nas redes sociais e mídia em geral,  totalmente divergentes e agressivas ...